Home  Artigos
A História do Step - Parte 3

por
Cida Conti

A História do Step – Parte 3
A Evolução: Combinações e Variações

Tudo no fitness está relacionado a adaptação. Nossos corpos se adaptam aos exercícios , assim como nossos cérebros. Com qualquer nova modalidade de treinamento, é preciso estabelecer vias neuromusculares através do processo de repetição. Uma vez que as vias estejam estabelecidas, pouca atenção teremos que prestar durante a execução destes mesmos padrões no futuro.

O cérebro se torna eficiente no processamento e envio de sinais ao longo do tempo e os

exercícios se tornam automáticos. Para muitos praticantes que buscam constantes desafios motores, a proficiência nas modalidades pode representar um tédio. Assim, a progressão lógica seguinte na hierarquia da vida do step foi a de combinar os movimentos em "combinações". Desta forma o step evoluiu gradualmente, saindo de uma condição de exercícios repetitivos e atléticos, para um estilo “mais criativo", caracterizado por combinações coreográficas.

Step Reebok Combinations and Variations I (publicado em 1994)

Estas combinações e suas variações, representaram um novo desafio mental para instrutores e alunos.

No entanto, como as aulas estavam evoluindo neste sentido, a grande preocupação dos membros da Reebok University era enfatizar a necessidade do uso do clássico formato do step, baseado na repetição de passos elementares, com poucas variações executadas de uma em uma, sem grandes combinações.

O objetivo claro do Step Reebok era expandir a população ativa, através de uma modalidade simples, desafiadora, com exercícios de baixo impacto. Portanto, a variedade, não a complexidade, deveria ser sempre a principal consideração na formatação de coreografias. Este perfil simples e o ajuste da altura da plataforma,  foram as principais chaves para que o step se tornasse popular e ajustável à todos os níveis de aptidão. "

Nesta etapa, uma nova terminologia de novos passos foi publicada no “Manual Combinations and Variations I”, incluindo:

Travellings
Lunges
"T-Step"
 Floor Mix Patterns: combinação de padrões de  movimentos realizados na plataforma e também no chão


Step Reebok Combinations and Variations II (também publicado em 1994)

Como segunda etapa, este sistema permitia  combinações coreográficas mais complexas e desafiadoras. Esta nova proposta era composta de várias habilidades em uma mesma combinação e a seguir foram adicionados novos passos:

Travellings com mais variações direcionais: ao redor por exempl
Passo L
Passo U: com padrões de chão

Este novo manual também ajudou a desenvolver uma melhor compreensão do uso das frases musicais, comunicaçõ  verbal e gestual, além de dar dicas para a adição de novos padrões de movimentos nas combinações.

Nesta etapa, Dennis Fiori juntou-se à equipe de combinações e variações. Dennis, foi um bailarino e instrutor veterano de Jane Fonda em San Francisco. A Reebok também  contou com a importante contribuição de Candice Copeland-Brooks, Joy Prouty, Tichenor Karen, e Bob Rich.

Em 1994, a Reebok lançou "AEROSTEP", que foi um exemplo de uma aula mesclada entre movimentos de chão e plataforma, que também foi adicionada ao programa de combinações e variações.

 

 

Imagem7 Cida Conti
Mais de 870 cursos ministrados em 25 países
Educadora Física, International Presenter, Diretora Executiva da Escola Fitness e FIT.PRO

 
Comentários Comentários
comentários por Disqus